Agosto Dourado é o mês do Aleitamento Materno

Desde 1992, o mundo celebra a Semana Mundial de Aleitamento Materno, entre os dias 1 e 7 de agosto. No Brasil, o Governo Federal instituiu o Agosto Dourado como o “Mês do Aleitamento Materno”, por meio da Lei Nº 13.435, de 12 de abril de 2017. São 30 dias dedicados a ações que buscam conscientizar mães, família e a sociedade da importância deste alimento nos primeiros anos de vida do bebê. 

Apesar do leite materno ser comprovadamente rico em nutrientes essenciais às crianças e o Brasil ser referência mundial em aleitamento materno desde o ano passado, atualmente, somente 41% mamam até os 6 meses de idade, segundo o Ministério da Saúde, que recomenda que a amamentação continue acontecendo, junto com outros alimentos, por até dois anos ou mais.

Na Maternidade do Hospital Regional Dr. Leopoldo Bevilacqua (HRLB), administrado pelo CONSAÚDE, o aleitamento materno é assunto sério. A Casa da Gestante, Bebê e Puérpera, uma unidade do HRLB/CONSAÚDE, é destinada ao acolhimento e acompanhamento das mães que necessitam de internação domiciliar para vigilância e proximidade do hospital referência, mas que não demandam de internação hospitalar e que residem distante do HRLB. No local, as mães recebem toda orientação necessária para o aleitamento.

Com capacidade para receber 10 gestantes, a Casa abriga mulheres na fase de latência do trabalho de parto até que se encontrem na fase ativa ou que realmente se confirme que não estão em trabalho de parto, quando então podem ser liberadas para suas casas. A Casa também propicia um atendimento adequado às mulheres até o momento da sua internação definitiva no Hospital e àquelas mães que aguardam a alta de seus bebês.

A equipe da Casa da Gestante é multidisplinar e uma das preocupações é orientar as mamães sobre a amamentação. “Nosso intuito é diminuir o impacto da hospitalização, promover interação entre as gestantes e puérperas, estimular a autonomia, humanizar o ambiente, estimular o potencial saudável destas mulheres e promover mais qualidade de vida”, explica a enfermeira responsável pela Casa, Priscila Assis Rangel.

Os profissionais da Casa da Gestante foram mais além e criaram o Grupo de Amamentação para orientar as mamães do alojamento conjunto da maternidade e da Casa da Gestante, Bebê e Puérpera sobre a importância da amamentação. As mães do HRLB recebem dicas e levam para casa conhecimentos que se refletirão no bom desenvolvimento dos bebês. O leite materno é o alimento mais importante para o bebê durante os seus primeiros meses de vida. Para a enfermeira Priscila Assis Rangel,  “o grupo tem o objetivo de incentivar as mães a alimentarem os seus filhos com leite materno. Ele, além de satisfazer o bebê, também é responsável por proteger a criança de diversas doenças. A mãe também tem benefícios com a amamentação, pois perde peso mais rápido após o parto, e ainda reduz o risco de câncer de mama”, explica.

Alimento exclusivo

O leite materno possui componentes e mecanismos capazes de proteger a criança de várias doenças. É um simbiótico: uma fonte natural de lactobacilos, bífidobactérias e oligossacarídios. Nenhum outro alimento oferece as características imunológicas do leite humano.

De acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS), a cada ano, mais de 10 milhões de crianças com menos de cinco anos morrem em todo o mundo por doenças que podem ser prevenidas e tratadas. Há várias intervenções preventivas e terapêuticas eficazes e de baixo custo, que podem ajudar a reduzir essas mortes e a principal delas é o aleitamento materno.

O Ministério da Saúde (MS) recomenda que, até os seis meses de vida, o bebê seja alimentado exclusivamente com leite materno para ter um crescimento forte e um desenvolvimento saudável. A amamentação é também reconhecida pelo MS como o primeiro direito da criança após o nascimento, que a recomenda até os dois anos de vida.