Assistências ao parto e nascimento do HRVR/CONSAÚDE passam por avaliação institucional

O objetivo da avaliação realizada pela equipe técnica não vinculada à instituição foi criar um marco zero, à partir do diagnóstico, para a implantação de um programa de humanização na assistência ao parto e nascimento, específica para o Hospital Regional Vale do Ribeira e a sua região de atendimento, levando em consideração suas características técnicas, estruturais e culturais, sempre de acordo com o previsto e estabelecido pelo programa do Ministério da Saúde.

Para o Obstetra e chefe da equipe responsável pela avaliação, Newton Tomio Miashyta, o HRVR/CONSAÚDE terá um programa único, pois segundo o médico não existe uma ‘receita de bolo’ para a humanização nas instituições do SUS, mas sim sempre um modo de aplicar uma essência de atendimento, mas cada unidade hospitalar necessita de medidas específicas quanto à humanização.

Miashyta elogiou a atuação do HRVR e sua estrutura, durante os dois dias em que esteve avaliando a unidade e o corpo técnico, entre os dias 28 e 29 de setembro deste ano: “É um ambiente com muito potencial para níveis de assistência materno infantil. Apesar dos ingredientes essenciais já presentes, falta ainda um pouco de equilibro para chegarmos à receita certa. Esta iniciativa de avaliar o serviço para traçar um planejamento em prol do paciente mostrou a seriedade da instituição,” afirmou.

Metodologia

Visando entregar um diagnóstico estritamente fiel e utilizando uma metodologia que abrangesse todos os aspectos de uma unidade como o Hospital Regional e suas particularidades foram avaliadas a estrutura física, o corpo técnico e os métodos de trabalho, tais como os protocolos. Além de um médico obstetra, a equipe era formada por um médico neonatologista e uma enfermeira obstetra.

Soma-se a visita nas dependências e setores da unidade, a realização de entrevistas com todos os envolvidos com participação efetiva à assistência ao parto e nascimento, da superintendência as chefias dos setores. Entre os locais individualmente avaliados estavam: Admissão, Alojamento Conjunto, UTI Neonatal, Centro Obstétrico e Neonatologia passou por determinadas avaliações. A iniciativa buscou seguir o passo a passo das gestantes, de sua chegada à unidade até sua alta. Tudo em dois dias de avaliação em dois dias de pesquisa in loco.

Entre as melhorias sugeridas pela equipe, destacam-se:

Atualização e revisão constante de protocolos; organização de procedimentos; padronização da comunicação interna entre os setores; melhoria na logística; padronização da linguagem entre todos os setores envolvidos no cotidiano de atendimento de parturientes, mães e bebes, ou seja, melhorar o trabalho em conjunto.

Já entre os pontos positivos destacados na avaliação estão o alto grau de profissionalismo e qualidade do grupo de profissionais médicos, enfermagem e demais setores, e da estrutura física.

Apresentação do Diagnóstico

Ao receber o relatório da equipe juntamente com diretores do Consórcio e integrantes do corpo clínico do HRVR/CONSAÚDE, dia 5 de outubro, em Pariquera-Açu/SP, a diretora superintendente Maria Cármen, convocou a todos para arregaçar as mangas e solucionar os problemas e programar soluções a curto prazo.

“É o primeiro passo que temos de dar. Podemos ver que certas fragilidades não precisavam estar ocorrendo no momento presente. Vamos em frente pensando nas soluções práticas de nossas deficiências e tentar potencializar nossos pontos positivos. Vamos arregaçar as mangas e fazer novas adequações. O segundo passo é manter o plano de estratégias de humanização para ao mesmo tempo solucionar os pequenos problemas, mas dar continuidade ao processo,” afirmou a superintendente.

Entre as ações futuras a serem adotadas estão a melhora no trabalho em conjunto entre as diversas equipes, maior continuidade ao processo de atendimento das pacientes e maior envolvimento entre equipes e pacientes.

no images were found