Paciente ganha vida nova com apoio de equipe do HRLB/CONSAÚDE

Paciente estava internado há 571 dias, já com alta médica, mas não tinha para onde ir; equipe focou na desospitalização do homem, um ex-morador de rua

O Hospital Regional Dr. Leopoldo Bevilacqua, administrado pelo CONSAÚDE, conquistou um recente e importante avanço no processo de desospitalização de um paciente.  O ex-morador de rua Sandro da Silva, 56 anos, passou 571 dias internado após um acidente de trânsito. Mesmo após receber alta médica, Sandro não tinha para onde ir.

Equipes do Serviço Social, da psicologia, entre outros profissionais do HRLB, buscaram familiares e passaram a conhecer um pouco da história de Sandro, que sofre de transtornos psiquiátricos e abandonou a família, tornando-se um andarilho.

Sandro foi vítima de atropelamento e transferido de Cajati para o Hospital de Pariquera-Açu há quase dois anos. Passou por tratamentos na Ortopedia do HRLB, teve acompanhamento multidisciplinar e embora em condições de sair do Hospital, não possuía residência fixa e nem parentes que pudessem acolhê-lo.

Foi então que a equipe multidisciplinar do HRLB se mobilizou para realizar o processo de desospitalização de Sandro. Foi dado início a um trabalho de equilíbrio emocional, a reabilitação psíquica e a reinserção social de Sandro. O HRLB/CONSAÚDE acredita na recuperação de seus pacientes, quer pela reabilitação, ou pela melhoria das condições de vida, ajudando-os a estabelecer valores, lutarem por dias melhores e resgatarem a autoestima.

Mas, como criar condições para reinserção social do paciente Sandro após a desospitalização? Ele não possuía documentos e não havia qualquer chance de voltar ao convívio com seus familiares.

A assistente social Simone Bricate Watts, do Serviço Social do HRLB, começou o processo de desospitalização junto com a equipe multidisciplinar. “Sandro era um paciente que já havia recebido alta e estava há 571 dias internado, ocupando um leito. Ele também tinha o direito à reinserção social. Tudo é uma questão de humanização”, disse.

Sandro contou, durante todo este período, com recursos ambulatoriais e extra-hospitalares, através da assistência integral.  Seu equilíbrio comportamental e a redução dos riscos sociais e físicos, fizeram com que a equipe tomasse a decisão de buscar a desospitalização de Sandro.

A diretora de serviços técnicos auxiliares do HRLB/CONSAÚDE, Flavia Rascado, nunca desistiu de conseguir um lar para Sandro. “Mesmo com o passar dos quase 600 dias de internação, nem por um só dia desistimos de cumprir nossa missão institucional. Nosso trabalho é oferecer serviços de qualidade à população, com atendimento humanizado e multiprofissional, e neste caso específico, cumprir com êxito a desospitalizacão regional no ambiente SUS”, disse Flavia.

A diretora Flavia Rascado aponta ainda a receita para que tudo corra bem no processo. “O sucesso da desospitalizacao e a permanência do paciente no domicílio dependem da responsabilidade que deve ser assumida, com comprometimento e participação igualitária da tríade: paciente/família e equipe de saúde”, afirmou.

A persistência da equipe daria resultados, apesar das dificuldades. A assistente social Simone decidiu buscar alternativas para que Sandro pudesse ter uma nova vida, fora do ambiente hospitalar. Ele sequer tinha uma fonte de renda. O primeiro passo foi providenciar o RG. Logo após, Simone deu entrada ao Benefício da Prestação Continuada (BPC) da Lei Orgânica da Assistência Social (LOAS), uma garantia de um salário mínimo mensal à pessoa com deficiência e ao idoso com 65 anos ou mais que comprovem não possuir meios de prover a própria manutenção, nem de tê-la provida por sua família.

Sandro passou a ter documento e um salário! Faltava um lar. Após muitas buscas, as equipes do HRLB conseguiram uma vaga na casa de repouso Cantinho Feliz, em Peruíbe. Além disso, conseguiram doações de cesta básica e itens de higiene. Sandro, um ex-andarilho, foi levado no dia 9 de abril em uma ambulância do CONSAÚDE até o seu novo lar, agora em Peruíbe. Em seu quarto, arejado, tem televisão, uma cama e o aconchego de uma casa. Foi o resgate da dignidade de um ser humano, um final feliz que continua motivando os funcionários do HRLB a trabalhar focados em humanização e no bem estar do próximo.