C.E.F.O.R

CENTRO FORMADOR DE PESSOAL PARA A SAÚDE “RUTH GOUVÊA” – CEFOR SUS DE REGISTRO
O CENTRO
O Centro Formador de Pessoal para Saúde - CEFOR SUS Registro é uma Escola Técnica do Sistema Único de Saúde (ETSUS). Cada Estado possui uma escola, porém, no Estado de São Paulo há cinco, sendo uma na capital (municipal) e quatro no interior (nos municípios de Registro, Araraquara, Assis e Franco da Rocha)

A mantenedora do CEFOR SUS Registro é a Secretaria de Saúde do Estado de São Paulo, que repassa recursos e encargos financeiros ao CONSAÚDE.

Foi aprovada, através da Portaria GDRH nº 34, de 21/11/2023, a alteração da denominação do Estabelecimento de Ensino Centro Formador de Pessoal Para a Saúde de Pariquera-Açu para Centro Formador de Pessoal Para a Saúde “Ruth Gouvêa” – CEFOR SUS de Registro, passando a funcionar nas dependências do Departamento Regional de Registro (DRS XII).

Os primeiros profissionais de enfermagem do Vale do Ribeira, denominados Aprendizes de Enfermagem, após denominados Auxiliares de Enfermagem, foram formados pela Escola de Auxiliar de Enfermagem de Pariquera-Açu, a partir de maio de 1972, escola essa criada através do Decreto nº 52.701, de 20/08/1971.

Em 1996, a Escola de Auxiliar de Enfermagem foi transformada em Centro Formador de Recursos Humanos Para Pessoal da Saúde - CEFORH, de acordo com o Parecer CEE nº 542/98, da Câmara de Ensino Médio - CEM, e Parecer CEE nº 187/99 - CEM.



Área de Abrangência - Total: 15 Municípios

(BARRA DO TURVO, CAJATI, CANANÉIA, ELDORADO, IGUAPE, ILHA COMPRIDA, IPORANGA, ITARIRI, JACUPIRANGA, JUQUIÁ, MIRACATU, PARIQUERA-AÇU, PEDRO DE TOLEDO, REGISTRO, SETE BARRAS)

Diretor: Tatiane Fernandes Alves
e-mail: ceforh@consaude.org.br / ceforhdiretoria@consaude.org.br

Equipe Técnica e Administrativa: Márcia Giani de Lima

Secretária Escolar
e-mail: ceforh@consaude.org.br

Endereço: Rodovia Empei Hiraide Km 2,4 - CEP 11900-000
Telefone: (13) 3828-2999 / 3828-2931 / 3828-2937 e-mail: ceforh@consaude.org.br
COMO TUDO COMEÇOU
Durante uma visita do então governador Laudo Natel ao Hospital Regional Vale do Ribeira (HRVR), em 1971, ele constatou que, para atender uma região com população de um quarto de milhão de habitantes havia apenas uma enfermeira e nenhum outro profissional de enfermagem qualificado ou habilitado. Ao retornar à capital, o governador assinou o Decreto nº 52.701, datado em 20/08/1971, criando o CEFORH de Pariquera-Açu, na época denominado Escola de Auxiliar de Enfermagem.

Na época, o governador solicitou à enfermeira a elaboração de um estudo dos Recursos Humanos do HRVR e um anteprojeto para a criação de um estabelecimento de ensino para preparar pessoal de enfermagem, estudo esse ainda guardado no acervo histórico da escola, alocou recursos necessários e em pouco tempo a escola estava pronta.

Em maio de 1972 iniciou-se a formação dos primeiros profissionais de enfermagem no Vale do Ribeira, que se chamaram Aprendizes de Enfermagem (LDB nº. 2024 de 20/12/1967). Ao término a denominação do curso foi mudada para Auxiliar de Enfermagem (LDB nº. 5692 de 11/08/1971).

Embora a legislação não pedisse como pré-requisito de ingresso ao curso a educação ginasial (hoje fundamental), a escola sempre havia solicitado como exigência mínima para o ingresso o curso ginasial completo, nesta época exigido para o certificado de qualificação do Auxiliar de Enfermagem.

Até 1978 o curso de Auxiliar de Enfermagem era de dois anos. Os últimos qualificados com dois anos de curso foram os alunos que terminaram em 1979. Os matriculados a partir de 1979 já tiveram o curso de um ano porque a escola requereu a redução por não ser Suplência e por já exigir como requisito de ingresso o curso o Certificado de Ensino Ginasial. A maioria dos candidatos já apresentava Certificado do equivalente ao atual Ensino Médio (antigo científico ou colegial).

Nessa época eram formados profissionais somente para a demanda dos serviços de saúde que estavam em funcionamento ou iam se expandir na região. A ênfase era especialmente para os Atendentes de Enfermagem que trabalhavam nas unidades estaduais, sem ser capacitados, e que deveriam ser qualificados como Auxiliares de Enfermagem no prazo máximo de dez anos, por exigência do Conselho Regional de Enfermagem (COREN). Independente disso a Escola dispunha, em cada turma, de um número de vagas para a comunidade, onde os candidatos inscritos passavam por provas escritas e entrevistas e, em alguns anos, acrescidas as avaliações física e psicológica, vale informar que em todas as etapas dos processos de seleção participavam, além da equipe do CEFORH, profissionais que atuavam nas unidades de atendimento e que posteriormente eram convidados para coordenação , execução e supervisão do curso.

Em 1996, a Escola de Auxiliar de Enfermagem foi transformada em Centro Formador de Recursos Humanos para Pessoal da Saúde (CEFORH) de acordo com o Parecer do Conselho Estadual de Educação (CEE) nº. 542/98 da Câmara de Ensino Médio (CEM) e Parecer CEE nº 187/99 CEM e pôde formar não só Auxiliares de Enfermagem como também Trabalhadores para outras áreas da Saúde ( Laboratório, Raio X, Serviço de Arquivo Médico e Estatístico, Serviço de Atendimento Médico de Urgência, Banco de Sangue, Assistência Odontológica, Programa de Agentes Comunitários de Saúde e Enfermagem do Trabalho). Nesse período, os cursos já não estavam restritos à sede do CEFORH sendo realizados nos municípios de origem dos alunos através do Programa de Classes Descentralizadas. Outros Planos de Cursos e Planos Escolares foram elaborados pelo CEFORH, e aprovados pelos órgãos de competência regional e estadual ( Nutrição e Dietética, Citotecnia, Gestão em Saúde, Manutenção de Equipamentos de Saúde, Controle Social), porém, não foram realizados por falta de recursos financeiros.

Com a promulgação da Lei de Diretrizes e Bases da Educação nº. 5696/ houve a reformulação do Projeto Político Pedagógico (PPP) dos CEFORHs , que uniformizou o Regimento Escolar e Planos de Cursos. Os Planos Escolares continuaram específicos para cada CEFORH.

Até o ano 2000, o CEFORH formou profissionais em ritmo adequado aos recursos financeiros Municipais e Estaduais alocados para este fim. A partir de 2000 através do recursos oriundos do convênio MS/BID/FAT para implantação do PROFAE houve um aumento numérico considerável na formação de Trabalhadores da Área de Enfermagem, na instrumentação, adequação e fortalecimento das ETSUS , na capacitação e especialização de docentes para ensino , aprendizagem e pesquisa, visando resgatar um déficit educacional profissionalizante do Sistema Único de Saúde ( SUS ).