Grupo de Amamentação do HRLB orienta mães sobre importância do leite materno

19884479_475980116088233_6745907586554041352_n

A Maternidade do Hospital Regional Dr. Leopoldo Bevilacqua (HRLB), administrado pelo CONSAÚDE, comemora o Dia Mundial da Amamentação, em 1º de agosto, com uma importante iniciativa que se reflete na saúde de mães e bebês.
Desde fevereiro deste ano, o HRLB conta com o trabalho do Grupo de Amamentação, formado por uma equipe multidisciplinar. Os profissionais do CONSAÚDE se uniram para orientar as mamães do alojamento conjunto da maternidade e da Casa da Gestante, Bebê e Puérpera sobre a importância da amamentação.
As mães do HRLB recebem dicas e levam para casa conhecimentos que se refletirão no bom desenvolvimento dos bebês. O leite materno é o alimento mais importante para o bebê durante os seus primeiros meses de vida.
Por isso, nesta data em que se comemora o Dia Mundial da Amamentação, o HRLB também comemora o bom resultado do trabalho do Grupo de Amamentação.
Para Priscila Assis Rangel, enfermeira responsável pela Casa da Gestante do HRLB, “o grupo tem o objetivo de incentivar as mães a alimentarem os seus filhos com leite materno. Ele, além de satisfazer o bebê, também é responsável por proteger a criança de diversas doenças. A mãe também tem benefícios com a amamentação, pois perde peso mais rápido após o parto, e ainda reduz o risco de câncer de mama”, explica.
O Dia Mundial da Amamentação é comemorado em 1º de agosto em vários países pelo mundo.

Alimento exclusivo

O leite materno possui componentes e mecanismos capazes de proteger a criança de várias doenças. É um simbiótico: uma fonte natural de lactobacilos, bífidobactérias e oligossacarídios. Nenhum outro alimento oferece as características imunológicas do leite humano.
De acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS), a cada ano, mais de 10 milhões de crianças com menos de cinco anos morrem em todo o mundo por doenças que podem ser prevenidas e tratadas. Há várias intervenções preventivas e terapêuticas eficazes e de baixo custo, que podem ajudar a reduzir essas mortes e a principal delas é o aleitamento materno.
O Ministério da Saúde (MS) recomenda que, até os seis meses de vida, o bebê seja alimentado exclusivamente com leite materno para ter um crescimento forte e um desenvolvimento saudável. A amamentação é também reconhecida pelo MS como o primeiro direito da criança após o nascimento, que a recomenda até os dois anos de vida.